Medicina Comparada

Medicina comparada, segundo Beveridge, professor de Zoopatologia da Universidade de Cambridge, é o estudo de todas as enfermidades através do confronto dos resultados obtidos da investigação das mesmas no homem e em outras espécies animais. A medicina comparada contribui para a saúde do homem de duas maneiras: em primeiro lugar, possibilitando a prevenção  das zoonoses, isto é, daquelas doenças de animais passíveis de se transmitir a espécie humana, como a raiva, por exemplo. A segunda, permitindo o conhe¬cimento dos processos em seus mais variados aspectos.

A Organização  Mundial de Saúde está vivamente interessada em obter a colaboração  de veterinários patologistas, para trabalhos de medicina comparada, em diferentes países. Assim, estudos sobre cardiopatias e neoplasias de animais capturados ou mantidos em jardins zoológicos tem sido amplamente estudadas, cotejando-se os resultados obtidos com aqueles colhidos na espécie humana, no que diz respeito as suas analogias ou as suas discrepâncias.

Descobriu-se, assim, que a leucemia das aves e dos camundongos é provocada por vírus e que o macaco e certos pássaros São os animais ideais para investigações sobre cardiopatias e afecções vasculares. "Salud Mundial", em um de seus últimos números focaliza o interesse de tais pesquisas. Leões mantidos em cativeiro, alimentando-se de  carnes cruas, podem adquirir moléstias de caráter desmineralizante, porque consomem poucos sais minerais,já que eles não possuem a capacidade de triturar fragmentos ósseos.

Nos galinheiros, diversos investigadores revelaram a existência de verdadeiras "estruturas sociais", onde o acesso as fontes de alimentação  se faz por rigorosa ordem de precedência. Laboratórios de psicologia animal tem permitido investigar curiosos hábitos de numerosas aves. Um mistério no reino animal intriga os inves¬tigadores: por que o elefante recém-nascido mama com a boca e o adulto bebe com a tromba? Sabe se também que os elefantes oferecem a interessante particularidade de ter os pulmões presos diretamente a cavidade torácica.

Em macacos, os mais variados estudos de psicologia comparada tem sido realizados. Graças aos Macacus rhesus, descobriu-se o fator Rh e a intervenção  do mesmo foi decisiva no preparo da vacina antipólio. Fez-se ele, portanto, credor da admiração  do homem; no entanto, el es São portadores de um vírus que, através da mordedura, pode se transmitir a espécie humana, causando paralisias graves, algumas vezes, fatais.
Quanto as ovelhas, elas ensinaram o homem sobre muitas deficiências nutricionais. Assim, a ausência de certos elementos químicos determina nas ovelhas moléstias carênciais conhecidas sob nomes diversos, em diferentes partes do mundo. Entre tais elementos cita-se o cobalto, importante para a síntese da vitamina B-12.

Que dizer dos cães, animais extremamente úteis aos laboratórios de investigação  biológica? A contribuição dos mesmos aos progressos dos conhecimentos médicos e biológicos tem sido considerável. Ivan Petrovich Pavlov, laureado em 1904 com o Premio Nobel de Medicina, tornou-se famoso com seus trabalhos sobre fisiologia da digestão, realizados em cães. Vladimir Negovsky, da Academia de Ciências Médicas da Rússia, tornou-se também conhecido pelos seus experimentos em cães, estudando os problemas da morte clínica e da morte biológica. Não esqueçamos o nome da cadeia Laika, que a 3 de novembro de 1957, a bordo do satélite Sputinik II, cruzou os espaços ultra terrestres, prestando auxílio ao homem em numerosas investigações.

Nos parques zoológicos, como nas populações humanas, as infecções cedem lugar as moléstias cardiovasculares. Assim a instalação  de "hospitais" e a administração  aos animais de medicamentos os mais modernos tem modificado pouco a pouco o quadro geral das causas de óbito.
Os pássaros São muito sujeitos a ateros-clerose e daí o motivo de intensas pesquisas em desenvolvimento, principalmente no jardim zoológico de Londres.

Referindo-se aos camundongos, "Salud Mundial" assinala, com razão, que sob sua humilde pele branca oculta-se um "padrão biológico" tão preciso como o metro, o quilograma ou o segundo. Diversos outros animais tem servido para estudos de medicina comparada. A psicologia animal atingiu, também, grande desenvolvimento principalmente através de pesquisas realizadas com ratos. Estes animais resgataram, em parte, suas atividades nocivas (como transmissores da peste, por exemplo) com uma efetiva e valorosa contribuição  para o desenvolvimento da medicina.
Os problemas da chamada medicina comparada merecem, pela sua importância, a atenção  de médicos, biologistas, veterinários e psicólogos.