Voltar a Temas de medicina


 

Faculdade de Medicina da Bahía

 

A Faculdade de Medicina da Bahia, a mais antiga do País, foi fundada a 18 de fevereiro de 1808, pelo Príncipe Regente D. João, por sugestão do Dr. Jose Correia Picanço, cirurgião-mor do Reino. Trata-se pois, da Escola Medica primaz do Brasil.

Diretor da velha Faculdade, o Prof. Plínio Garcez de Sena, publicou uma Sinopse informativa sobre a tão famosa Escola, que comemorou em 1978, 170 anos de longa e fecunda existência.

Grandes vultos da nossa profissão foram diplomados na Bahia tornando-se, mais tarde, seus professores. Outros vieram para São Paulo e Rio de Janeiro, tornando-se eminentes mestres, como Afrânio Peixoto, Oscar Freire de Carvalho, Celestino Bourroul, Enjolras Vampre, Juliano Moreira, Clementi no Fraga, Piraja da Silva, Martagao Gesteira, Froes da Fonseca e tantos outros.

A 23 de fevereiro de 1808, cinco dias apos a assinatura da carta-regia, criando o ensino medico entre nos, foram nomeados os dois primeiros professores de medicina do Brasil: o baiano Manoel Jose Estrela (Cirurgia especulativa e pratica) e o português Jose Soares de Castro (Anatomia e operações cirúrgicas), os quais, atendendo a decreto real, passaram a ensinar "não só a cirurgia - propriamente dita, mas a anatomia como base essencial dela; (...).

A Faculdade de Medicina da Bahia teve professores dos mais eminentes, dentre os quais destacam-se Nina Rodrigues, Prado Valadares, Jose Silveira, Edgard Santos, Gonçalo Moniz, Clementino Fraga, Eduardo Rodrigues de Morais, Fernando Luz, Fernando São Paulo, Pirajá da Silva, Armando Tavares, Aristides Noviz e muitos outros, que tanto enalteceram a velha Escola do Terreiro de Jesus.

Nesta crônica, desejo congratular-me com todos os atuais professores daquela tradicional Faculdade, pela justa homenagem prestada a seus antigos mestres.
Destaco, neste particular, a figura singular de Pirajá da Silva, cujo nome esta ligado a própria historia de esquistossomose mansonica.

Outra grande figura deve ser lembrada ­a de Juliano Moreira, expressão máxima da Psiquiatria no Brasil, nascido na cidade de Salvador, a 6 de janeiro de 1873. Em 1902, viajou para o Rio, a fim de assistir ao embalsamamento de seu amigo e mestre Manoel Vitorino. Rodrigues Alyes iria tomar posse da Presidência da Republica, tendo como ministro do interior e Justiça, o Dr. Jose Joaquim Seabra. Através de Afrânio Peixoto, já então no Rio, estabeleceu-se ligaçao entre Seabra e Juliano. Em 1903,0 mestre baiano e convidado para dirigir, no Rio, o Hospital Nacional dos Alienados. Nos que conviveram com Juliano Moreira ficou, para sempre, o testemunho inequívoco de que suas qualidades de erudição e talento emparelhadas com outras bem definidas (...)