Voltar a Temas de medicina


 

Plantas do Brasil

 

Muito se tem escrito sobre a Dendrologia brasileira, principalmente devido a excepcional magnitude de nossa flora.

Com a colaboração da Universidade de São Paulo, a Editora Blucher Ltda acaba de publicar, de autoria de Carlos Toledo Rizzini "Arvores e Madeiras úteis do Brasil", livro que e uma introdução ao estudo da Dendrologia pátria. Nele, os interesses em assuntos florestais encontrarão informações seguras e minuciosas sobre importantes arvores produtoras de lenhos úteis, com a sua distinção, caracterização, nomen­claturas científicas e vernácula, área de ocorrência, espécies próximas, utilização da madeira, alem de varias outras notas sobre as plantas de maior interesse econornico para o pais. A nomenclatura botânica utilizada foi revista com criterioso cuidado.

A flora brasileira contem cerca de 278 espécies arbóreas euxiloforas, isto e, aquelas que desejamos mais uma vez homenagear a grande casa de ensino e de pesquisa, fundada em 1913, fornecem madeira útil, qualquer que seja sua natureza. Com ricas ilustrações e um excelente glossário de termos técnicos, ao lado (bibliografia selecionada, o livro de Carlos T ledo Rizzini, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, deve ser lido por todos aqueles que preocupam com o estudo da flora brasileira.
O Brasil possui ainda 40% de sua area coberta de matas, das quais 83% aproximadamente seriam amazônicas. Extensas z nas vem sendo desmatadas. Assim, o Estado São Paulo possuía em 1940, 34% de ar florestada e em 1961 estava apenas com 10%. As necessidades do Brasil em madeira poderão crescer e daí a razão pela qual precisamos conhecer cientificamente nossos arvores auxiloforas, cuidando de sua preservação e exploração racional.

Três são os grandes centros brasileiros extração de madeiras: o sul da Bahia e norte do Espírito Santo, com cerca de 60 especies euxiloforas, das quais 11 são exclusivas; o sul do Brasil (Paraná e Santa Catarina), também com cerca de 60 espécies, das quais sete são exclusivas e a região amazônica com 35 espécies, sendo 20 exclusivas.

Matas secas, cerrado e caatinga tem importância muito limitada como fonte de madeiras serradas, sendo a extração apenas local e esporádica.

As arvores ditas de madeira dura, folhosas ou de "lei" san Dicotiledoneas e as de madeira "mole" ou resinosas são coníferas. Esta nomenclatura não tem o menor sentido em regi6es tropicais.

De cada planta, Rizzini nos oferece o nome vulgar, suas características distintivas, a área onde e encontrada, seu emprego e as espécies afins. Assim, muitas delas são utilizadas como postes, mourões, esteios, estacas, dormentes, vigas, armações de pontes, moendas de engenho, mobiliário de luxo, objetos de adorno, construções civis e navais, xilogravura, formas de sapato, tacos, vagoes, etc.

A enorme importância dos gêneros Eucalyptus e Pinus, no Brasil, obrigou o Autor a da Ihes alentado tratamento nesta obra, realmente grande interesse para a economia do pai Ate 1911 Navarro de Andrade cultivava em Si Paulo 75 espécies de Eucalyptus. Foi eminente silvicultor um grande estudioso da eucaliptocultura no Brasil. (...)